top of page
Ruído branco no fundo preto

Notícias

  • Foto do escritorsivergs

SIVERGS FECHA NOVA OPORTUNIDADE

Em reunião de Diretoria no dia 16/08/2023, o SIVERGS aposta em novas turmas e logo fecha sua parceria com o SENAI RS Moda e Design, para realização de mais 02 Cursos ainda em 2023.


O primeiro curso, será Costura Industrial Nível II. Um projeto antigo do SIVERGS, para aperfeiçoamento e atualização de Costureiras Industriais em técnicas de acabamento e fechamento de peças, buscando um melhor aproveitamento da capacidade de produção das empresas, bem como na otimização do tempo de produção, gerando aumento da produtivo e qualidade de cada profissional.


O Curso deverá ocorrer ainda no mês de Setembro de 2023, como um piloto e apenas para profissionais que já estejam atuando nas indústrias e apenas no turno da manhã, visando não sacrificar a produção das empresas que poderão encaminhar seus profissionais que necessitam de atualização e qualificação técnica.


O segundo curso, será o Curso de Costura Industrial Básico 160h, dentro dos mesmos moldes que vem ocorrendo nos últimos anos, com turmas na manhã e tarde para ingressos ao setor e entrevistas com empresas na formatura, com o propósito de ingresso no mercado de trabalho.


Para 2024, o SIVERGS está trabalhando com uma proposta agressiva de formar 6 turmas ao longo do ano, sendo 3 pela UMO - Unidade Móvel de Confecção, uma delas nossa primeira missão no interior do RS, uma em apoio ao SENAI Moda RS com o Jovem Aprendiz e outras 2 turmas dentro do SENAI Moda RS, uma de Nível II e outras Costura Industrial Básica 160h.


Para o SIVERGS será um novo marco, em 6 anos pular de 2 cursos anuais para seis cursos, porém o que mais nos engrandece é saber que esses novos profissionais ingressaram neste mercado e estão trabalhando formalmente, nada supera esse fato de conhecermos os profissionais que fizeram nossos cursos estarem hoje, e no futuro, atuando em nosso mercado do vestuário.



Que venham novas cidades do Interior, será um novo desafio mas estamos prontos para encará-lo.





43 visualizações0 comentário
  • Foto do escritorsivergs

Atualizado: 11 de ago. de 2023


Abertura evento RS Moda 2023, 11.07.2023, imagem FIERGS


Pedido do Secretário foi atendido pelos empresários gaúchos.


Durante convite para abertura do RS Moda 2023, o secretário de desenvolvimento do RS Ernani Pólo, solicitou ao vice-presidente e diretor de comunicação do SIVERGS Rogério Bértoli e a Diretora de eventos Julianna Fraccaro, que fosse consultado os empresários do setor sobre possibilidade de investimentos no RS. No mesmo dia, recebemos os questionamentos do secretário e prontamente apresentamos aos empresários, que perceberam o interesse dele na melhoria do setor.


Por se tratar de uma cadeia produtiva bastante capilarizada e grande geradora de postos de trabalho no RS, ampliar a participação econômica do setor é uma oportunidade que o secretário não poderia deixar passar.


Após a consulta, formalizamos os resultados e apresentamos demandas do setor para as áreas mais apontadas como necessárias para seu desenvolvimento. Abaixo as considerações seguida pelas necessidades imediatas entregues ao secretário:


Considerações:


O SIVERGS considera de extrema importância a formação de um ecossistema que permita o desenvolvimento, esse é necessário à priori ao investimento. Enquanto o empresário não perceber que possui segurança jurídica e tributária, pouca burocracia, pouca regulação do estado ou de órgãos auxiliares, custo em tributos que possam ser pagos, ele não incorrerá no risco de aplicar seus recursos, ou de terceiros, em nenhuma área do seu negócio. O estado deve agir de forma proativa a permitir e fomentar esse ecossistema.

O RS apresenta hoje, um cenário hostil ao investimento, de muita carga tributária, burocracia, ânsia regulatória e fiscalizatória. Esse cenário inibe a formação espontânea de pólos de desenvolvimento setoriais, coisa que acontece em outros Estados. As empresas se beneficiam muito desses ecossistemas. Como consequência, a economia do Estado não se desenvolve, o consumidor não consome, portanto não demanda investimento. É um ciclo vicioso de não-desenvolvimento. Além disso, mesmo não sendo culpa do RS, hoje há um Governo Federal que não passa tranqüilidade e previsibilidade suficientes para que o empresário faça qualquer tipo de investimento.

Precisamos de UNIÃO em primeiro lugar. O Estado do RS é de gente competente e trabalhadora, o que precisa são convenções de pequenas, médias e grandes empresas afim de debater e fomentar parcerias voltadas para qualificação, maior conhecimento, maior produtividade, acesso à tecnologia e com fomento financeiro ao desenvolvimento e não ao endividamento.

Os importados têm sido, nos últimos anos, um grande desafio para o setor têxtil e vestuário brasileiro. A liberação de importados até US$ 50.00 (aprox. R$ 250,00) é a bola da vez contra o comércio varejista do vestuário, é preciso agir de forma séria e clara a esse ingresso, enquanto empresas brasileiras importam navios carregados de produto acabado que poderiam ser facilmente produzidos no mercado interno, empresas locais fecham postos de trabalho e reduzem seus investimentos.

Os incentivos fiscais são absolutamente necessários, devem continuar e serem ampliados com a participação das entidades representativas deste setor. Quanto a programas de crédito, se esses não estão inseridos em um ambiente natural e espontâneo de desenvolvimento, de expansão, ao invés de aumentar o investimento, somente manteremos nossas empresas vivas em troca de endividamento. São importantes os programas como um auxílio temporário, mas, novamente, o ecossistema de desenvolvimento precisa ser formado para que os investimentos sejam feitos posteriormente e de forma natural. A sugestão para a formação desse ecossistema necessário é desburocratização, desregulação e redução da carga tributária. A Prefeitura de Porto Alegre está tentando algo nesse sentido, parece que já colhe os primeiros frutos.


Necessário à curto prazo, no apontado:


- Redução de carga tributária (isonomia com outros estados como SC, SP e ES), desburocratização e desregulação de processos a ponto de permitir a formação espontânea de pólos setoriais tais como em Goiás, Santa Cataria, Espirito Santo e Minas Gerais, entre outros.

- Crédito acessível e desburocratizados via bancos do estado como Banrisul e Badesul. Na abertura do RS Moda 2023, ficou claro a insignificância investida pelo Badesul, em um setor altamente empregador. Sugerimos uma linha de crédito para máquinas industriais eletrônicas básicas, que fomentará o crescimento da produção das Micro e Pequenas empresas além de elevar a qualidade dos produtos produzidas por elas.

- Investir e Apoiar as ações de formação de mão de obra qualificada, incluindo ½ bolsa de estudo aos jovens alunos do setor, oportunizando que se dediquem de 1 à 2 anos, na formação de Costureiros Industriais que ampliará significativamente a produtividade e qualidade dos produtos gaúchos do vestuário.

No geral, o empresário gaúcho do setor vestuário tem a intenção de investir em novos equipamentos e modernizar seu parque fabril. Essa afirmação vem de 4 anos e 8 pesquisas simultâneas realizadas pelo SIVERGS, mas que sempre apontam para o investimento nessa área de no máximo 5% do existente. É muito pouco para um mundo que está andando a galope em modernização industrial.

Em conjunto, as ações já descritas, gerará um ambiente mais seguro, natural e propício para os investimentos e conseqüêntemente ampliará a produção, a contratação de mais pessoas, gerando desenvolvimento natural e crescente, bem como a distribuição de renda por todo o estado do RS, pois somos um setor bastante capilarizado no estado.

O SIVERGS agradece a solicitação e espera ter colaborado ativamente para compreensão da atual situação do setor indústria do vestuário, permanecendo à disposição para futuras consultas e ações conjuntas para o fortalecimento do setor.


Porto Alegre, RS, 27 de julho de 2023


Silvio Colombo

Presidente do SIVERGS


Rogério Bértoli

Vice Presidente e Diretor Comunicações

SIVERGS


OBS.: Foram consideradas no informe à SEDEC/RS, apenas as respostas que obtiveram 10% de similaridade ou seja 4 respostas similares pelos respondentes, incluindo respostas das MEI's que contribuíram efetivamente, as que obtiveram propostas baixo disso, foram desconsideradas.


AGRADECEMOS TODOS EMPREENDEDORES PELA PARTICIPAÇÃO E PELAS RESPOSTAS RELEVANTES, UMA VERDADEIRA DEMONSTRAÇÃO DE MATURIDADE EMPRESARIAL.


O SIVERGS seguirá atento e pronto para manter essa defesa do seu setor no RS.

40 visualizações0 comentário

Abertura evento RS Moda 2023, 11.07.2023, imagem FIERGS


Ofício é entregue na recepção ao Vice-presidente Alckimin.


Mantendo sua proposta de defender a Indústria do Vestuário do RS, o SIVERGS leva ofício à recepção da comitiva do Vice-presidente Geraldo Alckimin, no salão da FIERGS em 04/08/2023.


No ofício, o SIVERGS mantem-se firme na proposta de isonomia do setor junto aos demais entes federativos e também à proposta de isenção da indústria local em suas vendas internas até US$ 50.00 (aprox. 250,00), defendida pela FIERGS na abertura do RS Moda 2023 (Foto acima).


Atendendo ao princípio da isonomia nesta questão, a Diretoria de Comunicações do SIVERGS divulgou amplamente a proposta do presidente da FIERGS, Gilberto Petry, à outras entidades regionais e de outras unidades da federação que prontamente passaram a emitir também comunicados semelhantes ou em conformidade parcial com o pleito além de suas visões regionais.


Dessa forma, percebe-se que temos união nessa demanda o que pode resultar em proposição positiva para o setor, melhorando o ambiente de negócios, inclusive com uma boa perspectiva de se ampliar a presença do Vestuário do RS junto ao demais estados da federação.


O presidente do FCDL/RS, Vitor Augusto Kock, passou uma visão na perspectiva do Varejista do RS, "a isenção de produtos importados no valor de até US$ 50.00, é uma medida que cria dificuldades relevantes de competitividade aos setores produtivos. Além da renuncia fiscal de grande monta, trata de forma desigual principalmente os pequenos empreendedores. Se há disposição de desoneração, a balança deve ser equilibrada, isentando de impostos todos os produtos brasileiros com valores até US$ 50.00, aproximadamente 243,50 hoje (R$ 4,87)", afirma Kock em nota a nossa indagação.


Entidades representativas de SC já se manifestaram similarmente à proposta, defendendo o têxtil e vestuário da região à essa proposta descabida de isenção para produtos acabados.


O SIVERGS seguirá atento e pronto para manter essa defesa do seu setor no RS.

89 visualizações0 comentário
bottom of page